Quando o Sol Nasce...
A luz solar é essencial para a nossa sobrevivência, mas também para o nosso "bem-estar".
 
Antes de Thomas Edison ter inventado a lâmpada no final do século XIX, a dependência da luz natural era bem evidente no ambiente construído, pois os edifícios eram implantados de forma a maximizar o aproveitamento da luz solar. Mesmo depois da invenção da iluminação artificial, os edifícios continuaram a ser desenhados de forma a maximizar essa luz natural.

No entanto, a iluminação artificial permitiu-nos trabalhar em locais sem iluminação, 24 horas seguidas, se assim for necessário. Este fenómeno afastou-nos involuntariamente dos ritmos da natureza. A luz natural fornece-nos informação acerca da envolvente externa e contribui para reforçar o sentimento de pertença a um mundo exterior.

A influência da iluminação vai muito além da visão. Afeta as nossas funções reguladoras, tais como a produção de serotonina e melatonina que influenciam o andar e os ciclos de sono. Tem também impacto nas hormonas do crescimento.

A modulação da luz natural é assim um elemento chave na conceção dos espaços.

Uma sala com sol em excesso é desagradável. Intuitivamente, a colocação de estores numa janela permite criar uma profusão de luz que transforma o espaço em algo diferente. 

O controlo da iluminação natural assume assim um papel determinante no resultado final.

Uma divisão pode ser iluminada com luz natural ou artificial, mas a composição dependerá da função a que o espaço se destina. Tal como a música de fundo pode influenciar o estado de espírito, a iluminação com diferentes intensidades, poderá influenciar a nossa perceção do espaço.

Em relação à luz natural, ela pode ser: direta, refletida ou difusa. Tem também uma qualidade de cor, dependendo da estação do ano, da hora do dia e do tempo.

O tipo de luz e a sua quantidade deve variar de acordo com as necessidades de cada espaço.
  
Use luz direta para espaços como cozinhas, espaços de trabalho e escadas. Em oposição para atmosferas que se querem mais relaxantes e confortáveis como salas de estar é aconselhado o uso de luz refletida e difusa.

Quando se procura concentração, são mais adequados esquemas de luz com baixos níveis de contraste, enquanto as zonas de refeição e corredores, por exemplo, podem beneficiar de iluminação com elevados níveis de contraste.

No entanto, os especialistas em iluminação acreditam que a melhor das estratégias de iluminação incluirá sempre a luz natural e a luz artificial. Mecanismos de controlo da iluminação natural poderão ajudar a criar espaços agradáveis durante o dia, em situações de excesso de luz natural, tal como as luminárias permitem fazer com a luz artificial.

O sucesso dos espaços reside assim em saber integrar a iluminação natural, respondendo, no fundo, a um dos instintos mais básicos: procurar a luz do Sol.


Fonte: iKAZA - Projectos on-line